sábado, 29 de junho de 2013

ZACARIAS - O REINADO MESSIÂNICO





INTRODUÇÃO

            Alguns exilados voltam em 536 a.C. sob o decreto de Ciro. O povo estava em um estado crítico: muita pobreza, cerca de 50.000 pessoas sob a liderança de Zorobabel e Josué. O povo inicia a reconstrução do Templo, mas desanima devido a vários fatores (obstáculos). Seguem-se 12 anos de “letargia”. O Senhor anima o Seu povo por meio de Zacarias ao anunciar um “Dia”, um tempo em que o Messias reinaria (rei e sacerdote) em um templo restaurado, de uma cidade restaurada.

DESENVOLVIMENTO

I - Zacarias
-  “O Senhor se lembra”
-  Contemporâneo de Ageu (520 a.C)
-  Filho de Baraquias, filho de Ido: família sacerdotal
-  Objetivo imediato: despertar os judeus para retomarem a construção do Templo
-  Mensagem: anunciar o julgamento do Senhor sobre os povos e a restauração de Israel (O Reinado Messiânico)

II - Visões
Deus entrega sua mensagem a Zacarias por meio de 8 visões. Cada visão traz uma simbologia significativa para a situação que Israel vivia naquela época, mas também para nós, a Igreja do Senhor.

1)  Visão do homem e dos cavalos: o cuidado vigilante de Deus. (1.14,16-17)
-  O Senhor será novamente misericordioso com Jerusalém. Deus não desistiu do Seu povo.
2)  Visão dos quatro chifres e dos quatro ferreiros: o julgamento de Deus, primeiro sobre Judá e depois sobre seus inimigos (1.21).
-  O Senhor é um Deus santo e “zeloso” e o Seu zelo não permite que a violação da Sua santidade fique impune. Ele promete punir a desobediência.
3)  Visão do homem com um cordel de medir: reconstrução de uma Jerusalém pós-exílica (2 sentidos).
-  Deus será um muro de proteção ao redor de Jerusalém (2.3-5). Essa Jerusalém atrairá as nações: “Naquele dia, muitas nações se ajuntarão ao Senhor e serão o Meu povo...” (2.11)
4)  Visão da purificação de Josué: purificação do pecado para fazer a obra.
-  O Senhor repreender Satanás por acusar Josué, o qual estava com as vestes sujas. Deus manda um anjo trocar as vestes de Josué e lhe diz que se “andar nos caminhos do Senhor e observar (obedecer) as Suas ordenanças” terá um “lugar” na presença de Deus (3.7).
-  Deus é misericordioso. Ele nos perdoa e nos purifica, mas depende de nós o “permanecer” na presença dEle (obediência e submissão). E Zacarias já anuncia que, para nos purificar, Ele enviaria o Seu Servo o Renovo. Hoje todos têm a chance de serem purificados e usados pelo Senhor para obras tão grandes quanto a que estava nas mãos de Josué.
5)  Visão de um castiçal de ouro e lâmpadas de azeite: o Senhor dá forças a Israel pelo Seu Espírito.
-  Zorobabel, o líder, não deveria confiar em suas próprias forças, ou em riquezas, virtudes ou poder, mas no Espírito Santo. Mensagem bastante atual. Não podemos nos esquecer que a obra é do Senhor.
6)  A visão do rolo voador: o desonesto será amaldiçoado.
-  O rolo voador tinha 9m por 4,5 e representava a maldição que entraria na vida do desonesto (aquele que furta e que jura falsamente). Essa maldição consumiria a sua casa e tudo o que tem (“madeira e pedras”, 5.4). Como já dizia Ageu, “tesouros de impiedade” não rendem (Ag 6.10). Reter o dízimo é “roubar do Senhor” (Ml 3.8), é abrir as portas da casa para a maldição.
7)  Visão da mulher num efa: a santidade de Deus e remoção do pecado (fraqueza).
-  Deus promete remover a impiedade e mandá-la para Sinar (Babilônia, à época, foco mundial da idolatria e do pecado). Deus traria os judeus da Babilônia e o pecado deveria ser banido de Judá, para a Babilônia, para o lugar ao qual pertencia.
-  O Senhor se prontifica a tirar o pecado do meio do Seu povo. Uma interpretação atual dessa mensagem pode nos levar a refletir a respeito de como temos influenciado a obra do Senhor. A partir do momento que passamos a ser fonte de impiedade, ameaçando o andamento da obra, escandalizando outros irmãos, corremos o risco de sermos “cortados” da oliveira, pois a obra do Senhor não pode ser afetada. Devemos nos examinar constantemente e buscarmos o perdão do Senhor por meio do arrependimento sincero.
8) Visão dos quatro carros: o controle soberano de Deus sobre toda a terra (4 cantos)
-  Deus executará o Seu julgamento sobre todos os povos. As nações acreditam que não há nada que possa detê-las. O capitalismo e a globalização apenas reforçaram essa ideia de que não há limites para nada. Mas Deus é Aquele que tem o controle do tudo e no Seu tempo executará o juízo sobre as nações. Nós, a Igreja do Senhor, não precisamos temer como o mundo teme a cada nova ameaça mundial. Precisamos confiar em Deus e “andar no Seu caminho” para desfrutar de Sua proteção.

III - Questão do jejum:
O povo estava em dúvida sobre o jejum enquanto prática litúrgica. O Senhor responde que o que Ele quer é justiça e juízo e não formalidades religiosas vazias. O Senhor pergunta ao povo: “jejuastes vós para mim, mesmo para mim?” (7.5). Quando cumprimos uma liturgia de forma vazia, apenas como uma formalidade, buscamos apenas interesses pessoais (reconhecimento, justificação pessoal, etc.). Aqui vemos a mesma mensagem trazida por Miquéias (Mq 6.8).

IV - O Messias:
Josué é coroado (coroas) como rei e sacerdote, prefigurando a vinda do Messias que reinaria como rei e como sacerdote sobre todas as nações: não apenas uma liderança política, mas acima de tudo, uma liderança espiritual.

V - Mensagem escatológica:
            Zacarias profetiza anunciando que Deus promete libertar o Seu povo e restaurá-lo em sua prosperidade enviando o Messias. Deus promete abrir uma fonte inesgotável cujas águas purificam o pecado e a impureza. No entanto, Zacarias já profetiza que Israel rejeitaria o Pastor enviado por Deus. Dessa rejeição viria uma grande desolação: o povo passaria a ser guiado por “pastores perversos” (11.5). Mas Deus promete executar o Seus juízo sobre o “pastor inútil”: “Ai do pastor inútil, que abandona o rebanho; a espada cairá sobre o seu braço e sobre o seu olho direito; o seu braço completamente se secará (perde a força), e o seu olho direito completamente se escurecerá (perde a ‘visão)” (11.17).
            Deus promete, ainda assim, libertar o Seu povo novamente. Quando o Messias descer sobre o Monte das Oliveiras, eles se lamentarão por terem traspassado o Bom Pastor. Ele restaurará a Sião (Jerusalém) e de lá governará sobre toda a Terra (O Reinado Messiânico - o Milênio). “Israel estará plenamente restaurado, tanto nacional [política] quanto espiritualmente” (Revista CPAD, p.86). “Dez gentios se agarrarão à orla de um judeu” (8.23), ou seja, Israel será tão abençoado que os povos desejarão participar de Suas bênçãos, como Paulo aponta em Rm 11.12: “E, se a sua queda é a riqueza do mundo, e a sua diminuição, a riqueza dos gentios, quanto mais a sua plenitude”.

CONCLUSÃO

            Zacarias exortava o povo ao arrependimento pela negligência com que trataram a tarefa de reconstruir o Templo do Senhor. Por essa mesma mensagem, nós somos convidados a nos arrependermos pela falta de compromisso com que lidamos com o Templo de Deus nos dias atuais tanto o templo individual, quanto o templo corporativo. Somos convidados a nos oferecermos para uma obra de restauração e purificação. A força para realizar essa obra não vem de nós mesmos, de nossa virtude ou influência, mas do Espírito Santo. Onde buscar essa força? Na fonte de purificação que está aberta, cujo acesso só depende de um arrependimento sincero e não de formalidades religiosas vazias de significado.
            Quando vivemos em harmonia com os propósitos de Deus, entendemos que Ele está no controle da nossa vida e no governo de toda a terra. Podemos nos dedicar à evangelização, nos empenhar para algo “feito como as nossas mãos” possa ser oferecido ao Senhor quando “muitas nações se ajuntarem a Ele” (2.11). Como profetizado por Isaías:

“E trarão todos os vossos irmãos, dentre todas as nações, por presente ao Senhor, sobre cavalos, e em carros, e em liteiras, e sobre mulas, e sobre dromedários, ao meu santo monte, a Jerusalém, diz o Senhor, como quando os filhos de Israel trazem as suas ofertas em vasos limpos à Casa do Senhor.” (Is 66.20)

Lorena Brandizzi
Dezembro de 2012
REFERÊNCIAS:

Bíblia de Estudo Plenitude, Barueri, SP; SBB 2001
Lições Bíblicas do 4º Trimestre de 2012 - CPAD

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Une analyse du roman “Le dernier jour d’un condamné » de Victor Hugo

Le roman de Victor Hugo, Le dernier jour d’un condamné, a été publié en 1829, de façon anonyme. Le livre est un compte d’un prisonnie...